Sexta-feira, 30 de Novembro de 2007

E o fado também esteve nos Himalaias

Pois é, António, apesar do sofrimento por que passámos, e eu já nem me recordava de todos os pormenores, partia já hoje para os Himalaias. Teria cuidado em fazer a subida mais lenta, levaria mais dias a lá chegar para me habituar à altitude e aproveitaria para estabelecer contactos mais estreitos com os locais, mas voltaria.

 

Esquecemo-nos, contudo, de mencionar o fado que sempre nos acompanhou a partir daquela viagem de carroça até ao campo base - o fabuloso Os Búzios de Ana Moura. Tentámo-nos lembrar da letra que estava um pouco esquecida e a partir de então foi a nossa canção. Até o carroceiro a começou a assobiar e daqui a uns anos alguém poderá pensar que se trata de uma melodia tradicional tibetana.

 


publicado por margarida às 15:34
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 26 de Novembro de 2007

da Doença da Altitude

Cometemos um erro fatal: fizemos todo o percurso até Rongbuk praticamente sem água.

No jipe em que sigo apenas um dos rapazes tem um cantil com água. No outro jipe a quantidade também não é muita. Passamos toda a manhã nesta longa jornada de ascensão lenta por estrada sinuosa e acidentada, e o sol sempre à espreita. Ora, beber água, é algo que sabemos de extrema necessidade tendo em conta os avisos que nos fizeram e que tivemos oportunidade de ler na preparação desta viagem. Mesmo assim, cometemos a inconsciência de não o fazer.

Começam a surgir os esperados sintomas: fortes dores de cabeça, uma sensação de tontura sempre que fazemos algum movimento e quando este movimento é algo mais de dez passos ficamos exaustos. É impossível sermos rápidos no andar ou em qualquer movimento. A subida de três ou quatro lanços de escadas com mais ou menos dez degraus em direcção ao quarto do hotel, é uma autêntica maratona. Tenho a sensação de travar o meu movimento, de evitar levantar os pés do chão ou mover demasiado os braços. Poupo a amplitude dos movimentos e dá-me a impressão que faço o caminho a pairar.

Depois do almoço já tardio, ainda saímos para visitar o campo base. Daí até ao local mais próximo que o comum turista pode ir são aproximadamente 7 km que fizemos em pequenas carroças tradicionais.

Novamente sem água. A emoção crescia com a maior aproximação do ponto mais alto do mundo. Colocamos as nossas bandeiras numa espécie de hino à vida e à amizade e ao amor, no fundo, um hino àquilo que de melhor desejamos para nós, para os nossos queridos, para o mundo.

Regressamos ao hotel e as dores de cabeça já são insuportáveis. O cansaço pesou e aterramos nas camas. Minutos depois, o sobressalto de um calafrio faz saltar a Margarida da cama. Está muito pálida, os lábios e dedos das mãos cinzentos e tremia muito. Pensamos ser o primeiro sinal de uma desidratação. Logo providencio que beba água quente o mais que possa já que esta é melhor absorvida do que a fria, e coloco alguns sais minerais para mater o equilíbrio electrolítico e facilitar a retenção da água. A Margarida muito lentamente recupera desse mal estar e voltamos os dois a atenção para as explosões que se fazem sentir nas nossas cabeça. Tenho a sensação que o coração se deslocou para dentro do crânio e que pressiona as suas paredes como que a querer saltar dali. Se pudesse medir a tensão arterial talvez entrava em pânico ao ver o valor. Queixamo-nos e sempre tentando descansar. Até que, depois de algumas horas com dores e uma sensação de desconforto generalizado decido erguer-me na cama pois tenho a ligeira sensação de querer vomitar. Quero confessar à Margarida esta sensação, mas não tenho tempo de articular a frase toda. Vomito em jacto para o chão. Travo o vómito por milésimos de um segundo para poder chegar ao balde do lixo e continuo a vomitar tipo torneira a toda a pressão. Quando termino, lanço-me a beber água quente porque tinha de a repor rapidamente. Em meia hora, bebi mais de um litro, mas não consigo aguentá-la. Nova sessão de vomito e encho meio saco de plástico que tinha colocado ao lado da cama. Pouso o saco e digo: “Isto está mau”. A partir daqui procedemos ao abandono do hotel o mais rapidamente possível. Contactamos com a agência de seguros pois a situação afigura-se critica se eu não conseguir reter água alguma. O médico da companhia de seguros entra em contacto comigo para me dar indicações consoante o relato do meu estado, mas eu já me havia antecipado. Ingeri 5 mg de metoclopramida (anti-hemético) que aliado à descida de altitude foi eficaz. Desta experiência do impacto da natureza sobre o corpo, chego mais ou menos são, mas salvo, a Shigatse. Mais uma experiência no limite.


publicado por umlugarassim às 18:49
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 19 de Novembro de 2007

Campo Base do Evereste

A estrada não é em nada melhor que a do dia anterior, só não tem trabalhos a serem efectuados. Vamos a caminho do Campo Base do Evereste, em Rongbuk, e o efeito da Doença de Altitude começa a sentir-se – as dores de cabeça aumentam, as pulsações aceleram e parece que o sangue quer sair pelas têmporas. Por muito que nos tivéssemos informado sobre os sintomas, só sentindo. Damos dois passos, subimos dois degraus e ficamos estafados.

 

 

Passamos por aldeias típicas, onde temos de parar para pagar a “portagem”, e imediatamente somos abordados pelas crianças e adultos que se preparam para sair para o campo com os seus rebanhos. Mais à frente deparamo-nos com um jipe atolado na lama, mas acreditamos que tal cenário não nos vai acontecer, pois confiamos plenamente no condutor do nosso jipe, homem deveras experimentado e que percorre várias vezes por mês este caminho.

 

Aproximamo-nos dos yaks pela primeira vez e de duas mulheres que acompanham o transporte. Exigem um pagamento pelas fotos que lhe tiramos e dou-lhes, possivelmente, o equivalente a uns bons dias de trabalho. Não somos aconselhados a dar gorjetas, de preferência a crianças, para não caírem na mendicidade e passarem a viver das sobras dos turistas, mas vendo bem, um modelo na Europa faz-se pagar pelas sessões fotográficas, porque não no Tibete?

 

A paisagem é exuberante, os prados estão verdejantes, alguns acampamentos, rebanhos e yaks, salpicam o verde e amarelo das culturas, maioritariamente de cevada e mostarda. Ao longe as montanhas mais altas do planeta.

 

Chegamos finalmente a Rongbuk, a 4980m de altitude, onde se localiza o mosteiro Nyingmapa, o mais alto do mundo, reconstruído pelos monges que lá habitam. Anteriormente era o único local onde podíamos pernoitar, recentemente construíram um albergue onde nos alojamos. As jovens que lá trabalham recebem-nos com muita exuberância e sobem os degraus que nos conduzem aos quartos a correr, transportando malas e mochilas. Fico impressionada com a adaptação desta gente à altitude, eu que mal posso comigo.

 

Após o almoço de massa ou arroz, como sempre, acompanhado de legumes, deslocamo-nos de carroça ao Campo Base. São 7 km por entre as montanhas áridas com o Evereste a querer esconder-se atrás das nuvens. Vejo-o melhor mais tarde, no quarto do hotel, mas o cansaço nem me deu lucidez suficiente para tirar a única foto que me permitisse dizer mais tarde: “Estive lá”.

 

No Campo Base coloco a minha bandeira de oração e a do Mário, feitas em Angra num dos encontros dos Miragatos. O António prende a sua e a da Dulce. A minha é branca com os nomes dos meus amigos e familiares. Trouxe-os comigo ao local mais alto do mundo e lá ficaram.  Ainda hoje penso nelas a serem abanadas pelo vento e apetece-me lá voltar para me/as reecontrar.

 

No cimo do morro onde se encontram as bandeiras, partem e chegam pessoas de muitas partes do mundo, com especial destaque para um grupo de jovens chineses de um canal de televisão de perto de Shangai que transportam o símbolo dos jogos olímpicos de Pequim a todos os recantos da China e fazem questão de serem fotografados e filmados com o mesmo, acompanhados dos turistas que os rodeiam. São jovens, bonitos, bem vestidos e representam certamente a nova China, a geração Eu, entusiasmadíssima com a melhoria da qualidade de vida, com as novas opções de compra e que não liga minimamente às questões políticas, nem à liberdade ou falta dela, que parece abundar por aqui.

 

A noite é passada com dificuldade, as dores de cabeça intensificam-se, o António vomita várias vezes e partimos mais cedo, de madrugada, para Shigatse. Acordam-se os restantes elementos do grupo e à medida que descemos sentimos consideráveis melhoras.


publicado por margarida às 14:55
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 9 de Novembro de 2007

a mais de 5000 metros

A subida das Gargantas do Inferno foi aquela experiência única, fantástica e irrepetível, pois com o alargamento e pavimentação da estrada, mais nada será igual na passagem do Nepal para o Tibete, mesmo que algum dia decida lá voltar.

 

 

Após o almoço, avistamos as primeiras aldeias tipicamente tibetanas e os vales férteis junto aos rios. Continuamos a subir e passamos pelos colos Nyalam, a 3800m de altura e La Lung, a 5050m, com uma fabulosa vista sobre as montanhas em redor. É aqui que atingimos a altitude máxima da viagem e possivelmente das nossas vidas, a não ser que nos aventuremos a subir uma daquelas montanhas.

 

 

 

Dentro do jipe, não temos consciência do frio e vento que estão lá fora e ainda menos do efeito da “doença de altitude”. Tínhamos lido muito sobre o assunto, até nos tínhamos precavido antecipadamente tomando Gyngko Biloba, íamos “apetrechados” de aspirinas e similares, mas não tivemos tempo necessário para nos habituarmos à altitude e os sintomas de dores de cabeça e náuseas vieram rapidamente ao nosso encontro.

 

 

 

 

Saímos do jipe e tentamos perceber o que se passa em redor, apesar das tonturas que nos baralham o pensamento. As bandeiras de oração estendem-se por uma grande extensão e são aos milhares, balouçando ao vento. Trouxemos umas feitas de propósito para prender por estas paragens mas estão na mala e estamos tão baralhados que adiamos para local mais apropriado.

 

 

 

Descemos para o desértico planalto tibetano, onde tentamos avistar as montanhas Xixa Pangma (8014m), Cho Oyu (8200m) e Evereste (8848m), e ao fim do dia chegamos a Shegar ou Old Tinggri, que é uma pequena aldeia sobre uma colina, que outrora foi um entreposto onde sherpas do Nepal trocavam cereais, arroz e ferro por lã e sal.

 

 

 

Ficamos alojados no Snow Leopard, um motel com traça tradicional, com sanitários comuns e sem duches. Resta-nos uma boa cama, limpeza do quarto e uma bacia para a higiene pessoal.

 

 

 


publicado por margarida às 15:17
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Segunda-feira, 5 de Novembro de 2007

de Zhangmu a Nyalam

A noite foi mal dormida – o alojamento dos “rapazes” tresandava a um misto de odores indesejáveis, os das senhoras eram acanhados, sem banho, e com várias espécies de fauna endémica.

Após o pequeno-almoço, dirigimo-nos ao posto de fronteira e aí percebemos que o sistema informático já possui os nossos dados, recolhidos, certamente, quando nos foi dado o visto de grupo. Podemos finalmente avançar terra dentro.

Informaram-nos que a abertura da via se realizaria somente entre a uma e as quatro da madrugada, mas logo subimos até ao check-point e aguardamos. Somos o segundo jipe e rapidamente outros se juntam a nós, estimando-se que em pouco tempo 4 dezenas de veículos cheios de turistas aguardem o sinal de passagem. Confirmamos mais tarde o porquê do recurso aos Toyota Land Cruiser para fazermos a travessia todo o terreno.

Conversamos, fotografamos, jogamos às cartas e às três da tarde, avançamos.

 

Percebe-se de imediato que incomodamos na obra que tentam terminar e também ficamos incomodados com o aparente perigo em que nos encontramos – poças de água, lama, calhaus, cascatas, buracos, máquinas em movimento, camiões em sentido contrário, rebentamentos com dinamite, tendas para pernoita dos centenas de operários envolvidos ao longo de 30 km – um autêntico estaleiro e um safari de todo o terreno como oferta da agência.

A humidade àquela altitude é muito elevada, por vezes chove, noutras a água mistura-se com as quedas de água. A temperatura é fresca, estamos a mais de três mil metros de altura. As tendas onde os operários pernoitam não parecem ter condições mínimas de higiene, segurança ou conforto. Encontram-se nas bermas do precipício, são rondadas por algumas galinhas e outros animais que deverão mais tarde servir de alimento. Os operários aparentam ser tibetanos pela sua constituição, vestem roupa pouco confortável para o trabalho que desempenham e protegem-se com capacete. Vem-me à ideia a construção do aeroporto das Lajes, na Ilha Terceira, por ocasião da II Guerra. As fotos dos operários trajavam de igual modo – camisa, colete, casaco … Os encarregados são mais corpulentos, possuem outras feições, vestem de forma moderna, falam ao telemóvel.

Avisaram-nos no Nepal que a estrada não tinha condições, pois neste momento todo o Tibete está em obras para passar a tocha olímpica. Não sei se brincavam, mas na realidade muito se faz por estes lados, possivelmente por nunca se ter feito.

A habilidade e competência do condutor dão-nos segurança.

Comemos em Nyalam.

 

 


publicado por margarida às 20:51
link do post | comentar | favorito
Sábado, 3 de Novembro de 2007

6 de Agosto, 2.ª feira, entrada adiada

O simpático representante da agência Royal Mountain Travel em Khatmandu avisou-nos que os alojamentos nos três primeiros dias iam ser bastante básicos, mas não nos informou que teríamos de passar a fronteira antes das 18h00, ou então ficaríamos retidos até ao dia seguinte na cidade fronteiriça de Zhangmu, que deixa muito a desejar na qualidade da sua oferta hoteleira.

Apesar dos esforços do motorista para chegarmos a tempo, o mau estado das estradas e a saída tardia ao fim da manhã da capital do Nepal, contribuíram para que não chegássemos dentro do horário de atendimento da fronteira chinesa no Tibete.

 

 

Ali, somos recebidos por um militar chinês que faz questão de passear a sua autoridade junto ao edifício de fronteira já encerrado. Insistimos que temos de seguir viagem naquela noite, pois a informação de que dispomos é de que a estrada só está aberta ao trânsito entre a meia-noite e as quatro da madrugada, devido a trabalhos de alargamento da mesma e, além disso, temos alojamento reservado em Nyalam, a 30 km de distância, mas a nossa insistência impacienta-o e dá-nos duas hipóteses de escolha - retém-nos os passaportes e tratamos das questões burocráticas na manhã seguinte ou devolve-nos os passaportes e regressamos ao Nepal e entramos novamente de manhã, o que resulta precisamente no mesmo, com o inconveniente de andarmos a transportar as malas de um lado para o outro e de as condições na cidade fronteiriça do Nepal, Kodari, parecerem ainda ser bem piores.

Acatamos o poder chinês, jantamos no restaurante mais próximo, aguardamos os contactos do guia com o escritório em Lhasa para nos arranjar alojamento e rapidamente nos apercebemos que os três quartos que nos são destinados - 2 para as quatro senhoras e 1 para os três senhores, partilhado com quem eventualmente chegar -, não têm o mínimo de condições básicas, principalmente este último.

Chegámos ao Tibete.


publicado por margarida às 10:07
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.posts recentes

. Chegada a Lhasa

. Ainda da nossa entrada ad...

. População

. A caminho de Gyantse

. Shigatse

. 9 de Agosto, 5.ª feira

. E o fado também esteve no...

. da Doença da Altitude

. Campo Base do Evereste

. a mais de 5000 metros

.arquivos

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

.links

blogs SAPO