Quarta-feira, 2 de Janeiro de 2008

A caminho de Gyantse

O dia é longo e com muitas actividades pela frente. Após a visita ao mosteiro, almoçamos bem num restaurante junto à entrada do mesmo, escolhido pelo 1.º motorista, e partimos para Gyantse.



A estrada que liga Shigatse à outrora terceira cidade mais importante do país – Gyantse – parece recém construída e é em vários troços ladeada por árvores, que contribuem para refrescar a viagem. Passamos por um vale cultivado e por numerosas casas tradicionais com instalações de apoio à agricultura.



Nas bermas, deparamos com vendedoras de fruta, nomeadamente melancia, e paramos para adquirir algumas.



Mais adiante, detemo-nos numa fábrica artesanal de cevada, com quatro moinhos movidos a água, com enormes mós de pedra, onde se trituram grãos de cevada e se transformam em farinha. O pó branco cobre todo o espaço e as fotos parecem tiradas com filme a preto e branco.



No exterior, dois homens, sentados debaixo de uma árvore, bebem aguardente de cevada e oferecem-na em copos que aparentam estarem deveras isentos de alguma operação de limpeza nos últimos anos. Dado que se trata de conteúdo alcoólico, depreendo que o bicho ali não entra, e provo – mais fraco do que esperava.



A cevada é a cultura mais tradicional do Tibete. Com ela os tibetanos confeccionam o seu alimento principal, a tsampa (cevada torrada), que é comida com o famoso chá de manteiga de iaque. O trigo também é cultivado, tal como o arroz, a ervilha e a colza.



Alguns dos nossos pequenos-almoços integraram panquecas feitas com tsampa, e devo reconhecer que, após inúmeras refeições à base de legumes, até parecia que estávamos em casa.


publicado por margarida às 15:05
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Chegada a Lhasa

. Ainda da nossa entrada ad...

. População

. A caminho de Gyantse

. Shigatse

. 9 de Agosto, 5.ª feira

. E o fado também esteve no...

. da Doença da Altitude

. Campo Base do Evereste

. a mais de 5000 metros

.links

SAPO Blogs